Sejamos bons e os tempos serão bons. Os tempos somos nós: tal como formos, assim serão os tempos

Santo Agostinho

Nossos resultados são consequências de nossas escolhas. Mesmo em momentos em que nossa vida não está como desejamos, ter essa certeza nos mantêm conscientes de que virarmos o jogo está em nossas mãos

Flávio Augusto da Silva


Conexão

Congruência com os nossos dons

Ter sabedoria não quer dizer perfeição, mas o uso inteligente da falha, visando a tornar o erro uma oportunidade de aprendizado

06/12/2021 - 15:42

“Desenvolver congruência é uma das grandes chaves para o poder pessoal. Quando estou comunicando, sou enfático em minhas palavras, voz, respiração, fisiologia. Quando meu corpo e minhas palavras combinam, estou fornecendo sinais claros para o meu cérebro que é isso que quero produzir”, relata o especialista em Programação Neurolinguística, Anthony Robbins, em seu livro “Poder sem limites” (Ed. Best Selller/2019). “Algumas vezes as pessoas ficam tão obcecadas com o que querem que não apreciam ou usam o que já têm. O primeiro passo em direção à meta é agradecer. Todos temos meios de melhorar nossas vidas a qualquer momento”.

Então, qual a chave para estabelecer a harmonia? Flexibilidade. “Como um mestre de Aikidô, um bom comunicador, ao invés de se opor aos pontos de vista de alguém, é flexível e tem recursos suficientes para sentir a criação da resistência, encontrar pontos de concordância, alinhar-se com eles e então redirecionar a comunicação da maneira que quiser”, afirma o famoso escritor.

Alimentar a coesão com os nossos princípios e valores, estar em consonância com aquilo em que acreditamos, deixa-nos em paz. “Todo sistema complexo, seja um instrumento de fábrica, um computador ou um ser humano, tem de ser congruente. Suas partes têm de trabalhar juntas; cada ação deve apoiar uma outra ação, se é para trabalhar em alto nível”, escreve Robbins. A vivência prática evidencia que não há sucesso sem rejeição. Quanto mais “não” recebemos, mais “cascudos” nós ficamos e isso nos prepara para os “sim” vindouros. Quando controlamos a rejeição, conseguimos alcançar os nossos objetivos com maior facilidade e leveza.

Anthony Robbins ressalta a importância de superarmos a nós mesmos. “Sempre haverá alguém que tem mais do que você. E alguém que tem menos. Nada disso importa. Você precisa julgar-se pelas suas metas e nada mais”.

Como a vida é um constante aprender, encerro esta coluna com uma frase marcante do poeta e bibliotecário, Archibald MacLeish, ligado ao movimento Modernista norte-americano, falecido em 1982: “Só existe algo mais doloroso do que aprender com a experiência: é não aprender nada com ela”.

Ter sabedoria não quer dizer perfeição, mas uso inteligente da falha, visando a tornar o erro oportunidade de aprendizado. O “fracasso” não deve trazer sentimentos de mágoa, dor e angústia, mas, após o natural baque inicial, ele deve ser interpretado como uma chance de recomeço, de volta por cima, de ponto de inflexão. O ontem já foi e o futuro pode não chegar... O tempo que temos é o hoje, então, vamos valorizá-lo, vamos celebrá-lo! Congruência com os nossos dons. Para cada riso, cada lágrima, cada lembrança, a gratidão às amizades, a nossa maior herança!


Foto:

Marcelo Pardini contato@agromp.com.br

Marcelo Pardini é narrador, poeta, jornalista, pós-graduado em Marketing e leiloeiro rural. Titular da marca Agro MP - A voz do Agronegócio.

38 colunas publicadas