A busca por novos desafios, por mudança de vida, pela subida de novos andares e pelo desenvolvimento do próprio potencial, sem se acomodar, sem enterrar os talentos e sem ser controlado pelo medo de perder, fará com que vivamos num eterno recomeçar

Flávio Augusto da Silva

Se o que tens a dizer não é mais belo do que o silêncio, então, cala-te

Pitágoras


Meu Pet

Erros que cometemos com os cães

No dia a dia, nós falhamos de diversas formas com os nossos pets. Tais falhas acontecem de maneira inconsciente, mesmo assim, são prejudiciais a eles

17/08/2021 - 16:51

A cada dia temos convivência mais intensa com os nossos companheiros de 04 patas. Apesar de o estreitamento dessas relações, a comunicação muitas vezes é falha, haja vista que ainda cometemos vários erros por falta de conhecimento. Listo aqui os 05 mais comuns:

1. Vacinar com V8 ou V10 apenas quando filhote
Os cãezinhos começam o esquema vacinal com V8 ou V10 aos 45 dias de idade. São necessárias 03 doses no total, com intervalo de 21 a 30 dias, para considerarmos o filhote imunizado. Enquanto isso, o ideal é não tirá-lo de casa para passeios onde exista o risco de contágio, assim como os banhos devem ser em casa, não no pet shop. Entretanto, o cão deve ser revacinado anualmente, ou seja, após um ano da última V10 deve receber outra dose. E esse primeiro reforço é especialmente importante para conferir proteção de fato contra variadas doenças.

2. Dar bronca ou punir após ele ter se comportado mal
Os cães possuem memória curta (fração de segundos) em relação ao que fizeram há um tempo ou mesmo acabaram de fazer. Caso você não presencie o mau comportamento, não faz sentido puni-lo posteriormente. Além dele não entender o porquê do castigo, as punições podem gerar traumas. Mas “e a cara de culpado quando chegamos em casa”? Na verdade, eles não se lembram do que aprontaram, apenas estão reagindo à nossa entonação de voz e à nossa postura corporal. Adestrar e ensinar com reforços positivos, ou seja, premiando comportamentos corretos ao invés de punir os incorretos, produzem resultados mais satisfatórios. Por exemplo: dar um biscoito e/ou carinho quando o cão urina no local estipulado é muito mais efetivo e simpático do que puni-lo quando faz no local errado. O ideal é sempre induzir o animal ao acerto.

3. Deixar ração à vontade
Apesar de querermos sempre o melhor para os nossos amigos peludos, oferecer ração à vontade na maioria absoluta das vezes faz com que os cães fiquem acima do peso ideal. Como já falamos sobre o problema da obesidade, não existe nenhuma vantagem em alimentar o cão quando ele bem entende. Dentre as desvantagens de deixar ração à vontade é a de que o cão passe a não ter disciplina em relação aos horários de alimentação. Desta maneira, a ração fica exposta ao ar, à luz, à umidade e a outros animais durante todo o dia, perdendo suas características nutricionais. É importante ter em mãos um copo medidor para que a ração seja oferecida nas quantidades corretas e dividida em pelo menos duas vezes ao dia. No verso do pacote das rações existe um guia que orienta os proprietários em relação à quantidade a ser oferecida. Peça ajuda ao médico veterinário de sua confiança para chegar a tal medida.

4. Dar liberdade para o cão passear sozinho na rua ou sem guia
Os cães são como crianças. Nem sempre têm discernimento para fazer escolhas corretas. Não sabem atravessar a rua e não têm noção do perigo. A coleira e a guia fazem o papel de “dar a mão”, assim como fazemos com as crianças. Animais soltos serão atropelados, comerão lixo, atacarão outros animais ou pessoas, envolver-se-ão em brigas, acasalarão inadvertidamente etc. O cão deve sair sempre na guia e acompanhado pelo tutor.

5. Oferecer ossinhos de couro como petisco
A maioria das pessoas não sabe, mas o petisco em forma de osso é feito de couro de bovinos e passa por vários processos industriais nos quais são adicionados inúmeros químicos que permanecem no produto final oferecido aos cães. Além da química envolvida, que pode ocasionar alergias e indisposições gastrintestinais, esses petiscos muitas vezes são engolidos e acabam levando a processos obstrutivos, ou seja, podem parar na garganta, no estômago e/ou nos intestinos. Alguns cães precisam ir até para a cirurgia ou morrem asfixiados. Atualmente existem petiscos mais interessantes no mercado, produtos feitos com ingredientes naturais, sem corantes e com características funcionais, como, por exemplo, probióticos.

Conhecer um pouco mais sobre os nossos companheiros faz com que a convivência seja sadia! Que evitemos problemas ao longo da vida dos nossos cães… Sejamos conscientes! Como promover tais mudanças? Sempre através da ampliação do nosso conhecimento.


Foto:

Janaina Biotto contato@vilachicopethotel.com.br

A médica veterinária Janaina Biotto é especialista em Anestesia, Oncologia, Ozonioterapia e Acupuntura. Atende no Vila Chico Pet Hotel, em Botucatu/SP.

27 colunas publicadas